segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

I`m Not Your Baby




   Se você é do tipo que prefere não se misturar com a gentália, uma referência cafona, mas ao mesmo tempo incrível como a Elvira, primeira dama do crime em Miami no filme Scarface, ao menos pode dignificar o seu jeitinho esnobe.
  Parece fácil mas não é, dançar e ao mesmo tempo fazer essa cara de entediada é contraditório e difícil de articular.
  O movimento de braços para cima que ela usa me lembrou a seguinte imagem: estou no rio Gandhi acompanhada de um monte de indianos sem casta, mas ao mesmo tempo a  correnteza movimenta meu corpo submerso e decotadamente bem vestido. Talvez se concentrando nesse pensamento podemos chegar aos pés da Michelle Pfeiffer dançando como Elvira.
  Acho que demostrar um certo desprezo pelo resto da humanidade pode ser útil em momentos específicos, atraiu o Tony Montana por exemplo, que vamos convir, se não fosse a fraqueza por cocaína e uma certa tendência ao incesto tinha muito potencial. Poderia ter se tornado a versão cubana e sem bom gosto do Don Corleone. 
  Incorretisses políticas a parte, tem muita gente que curte o estilo blasé por ai, se você é uma dessas pessoas, ai está uma fonte inspiração menos francesa. 



   

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Você é Luz. Estrela. E Luar.



da revista superinteressante:

"No cinema, para cada segundo de filme, são necessárias 24 fotografias que, projetadas sucessivamente, dão a sensação de movimento.
Esse fenômeno pode ocorrer à noite, sob iluminação artificial, pois qualquer lâmpada – menos as incandescentes – pisca sessenta vezes por segundo, cortando o movimento da mesma forma que o filme."

Cedendo à idéia que somos reflexos de luzes projetadas, e projetando a idéia que podemos criar uma aparência para os outros a partir das luzes que queremos refletir, temo em avisar que nem todo reflexo é consciente.

A strobe light em casas noturnas tendem a criar polaroides automáticas que duram coisa de segundo no momento, mas que podem criar um registro mais duradouro em quem assiste.

Fotos de movimentos, que usados a favor, podem criar variáveis danças sobre a dança, já que os movimentos entre-cortados dessa luz permitem a cada tempo uma nova forma, uma nova pose, que apaga instantâneamente o registro anterior, numa profusão de novos movimentos.

São os movimentos fora de compasso que nos tornam originais.

(quer ir direto para o efeito? 03'40")

sábado, 10 de dezembro de 2011

Dançando de Biquíni



A grande dificuldade de dançar trajando roupas de banho é a direta relação com a piriguetisse. A falta de roupa associada a movimentos circulares de quadril e as curvas teúdas do corpo feminino transmitem a informação "sou piriguete".
Pois bem, o verão está próximo, e se você é uma mulher feliz e despreendida que pretende curtir a estação na praia, na piscina ou em uma casinha de sapê seguem algumas instruções para atenuar a disponibilidade do seu disponível corpinho.
Inspire-se em movimentos do balé aquático e ginástica rítmica,  use aquele sorriso artificial que convence, e abuse das paradinhas que saem do rítmo típicos das danças esportivas.  Pense estou em um musical da Grace Kelly, sou ingênua, e de forma nenhuma utilize de movimentos malemolentes, dedos, canudos, objetos pejorativos no geral próximos a boca, esqueça requebrar até o chão, esqueça as divas do pop como Shakira, não levante os braços e desça vagarosamente as mãos pelo seu corpo, esqueça absolutamente que você tem seios e bumbum.  
No caso do vídeo, acho que dançar com um provável amigo gay e usar biquínis vintage ajudou bastante, se puder usar desses artifícios também não pense duas vezes, seja fofa não seja sexy, ou simplesmente coloque uma canga ou uma saída de praia.
Dançar de biquíni é um risco, mas acredito que tudo tem salvação.
Amém.

Ocorreu um erro neste gadget